SB tem queda no ranking do PIB per capita, aponta IBGE

Queda foi em comparação entre 2016 e 2017

Santa Bárbara d´Oeste registrou queda no ranking do PIB (Produto Interno Bruto) per capita na comparação de 2016 e 2017, segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).  Conforme dados da série revisada, disponibilizada em seu site, a cidade da posição 254, passou para 266, no ranking estadual. Por sua vez, no nacional, passou da 1.206 para a 1.259. O valor subiu de R$ 28.138,49 para R$ 28.635,77. Na época, a população barbarense estimada era de 191.889 habitantes. 

O levantamento PIB dos Municípios 2017 mostra a situação da atividade econômica e o nível de riqueza dos municípios. O índice por pessoa é a divisão do total produzido pela cidade entre os habitantes, considerando que todos tivessem partes iguais. O levantamento foi divulgado em dezembro do ano passado. 

Na microrregião, as demais cidades ficaram nas seguintes posições do PIB per capita, no ranking estadual e nacional,  em 2017: Americana-  posição 103 e 469 (R$ 44.396,30); Hortolândia - posição 51 e 206  (R$ 58.188,31); Nova Odessa- posição 62 e 254 (R$ 54.529,18) e Sumaré – posição 77 e 325 (R$ 50.345,14). Em 2017, o PIB per capita do país chegou a R$ 31.702,25. 

Em 2017, os 10 municípios com os maiores PIB per capita somavam 1,5% do PIB brasileiro e 0,2% da população. No ranking nacional, Paulínia (SP), com R$ 344.847,17, tinha o maior PIB per capita, devido ao refino de petróleo. Nos municípios da segunda, quarta e sétima posições, o petróleo também predominava: Triunfo (RS) na petroquímica; Presidente Kennedy (ES), na extração e São Francisco do Conde (BA), no refino. 

Os municípios de Louveira (SP) e Extrema (MG) estão na terceira e oitavas posições, em razão do comércio atacadista. Na quinta posição, São Gonçalo do Rio Abaixo (MG) é o único município que tem a extração de minério de ferro como principal atividade, entre os 10 maiores PIBs per capita de 2017. Já Selvíria (MS), ocupando a sexta posição, e Vitória do Xingu (PA), a nona, constam nesta relação graças à geração de energia hidrelétrica. Finalmente na décima posição, Jaguariúna (SP) em função de Indústrias de transformação.

Saiba mais 

A pesquisa realizada pelo IBGE mostrou, ainda, que Santa Bárbara d´Oeste, em 2017,  se classificou na posição 59 do ranking estadual no PIB a preços correntes, ante 54, no ano anterior . Por sua vez, no ranking nacional passou de 169, em 2016, para 180, em 2017.  

Em 2017, a riqueza gerada pelo município barbarense foi de R$ 5,4 bilhões, enquanto que, em 2016, foi de R$ 5,3 bilhões.   Na microrregião, em 2017, a riqueza gerada pelos municípios foi: Americana (R$ 10,3 bilhões);  Hortolândia (R$ 12,9 bilhões); Nova Odessa (R$ 3,1 bilhões) e Sumaré (R$ 13,7 bilhões).